sábado, 21 de novembro de 2009

Clã Monteiro ensaia para o Imaginarius


Comunidade cigana da Baralha, em Santa Maria da Feira, prepara-se para interpretar Romeu e Julieta no único festival de teatro de rua do país. O realizador Marco Martins coordena o projecto artístico, a actriz Beatriz Batarda ensina a improvisar. Uma história sem princípio, meio e fim, mas com final feliz.

América Garcias diz a frase num fôlego: "Sinto-me morta por dentro e agora vou para a morte." Depois do ponto final, pensa um pouco e corrige: "Não é assim. O que tenho de dizer ao Romeu é: "Sinto-me morta por dentro e para a morte vou". Assim é que é."

Cabelo longo apanhado numa trança, olhos verdes, América, de 17 anos, sorriso constante, nunca tinha ouvido falar de Romeu e Julieta. De Shakespeare, tão-pouco. "É uma história de amor que acaba mal. É uma história muito bonita, mas tenho vergonha de a fazer", confessa, sem saber explicar a razão. Nunca viu uma peça de teatro e agora aprende a ser Julieta. Como Cristiana Monteiro, de 20 anos, loura, olhos azuis, olhar tímido, filho no colo. "É preciso fazer muita coisa e acho que não tenho cabeça para isto." Prefere ser outra personagem. "Já fiz de mãe de Julieta e correu bem."

Sexta-feira, dia 13. Lava-se roupa à mão, varre-se o chão das cozinhas, as crianças brincam, há fumo a sair das chaminés das casas de chapa e de madeira - as mais coloridas pintadas de azul e cor-de-rosa - na comunidade cigana da Baralha, freguesia de Sanguedo, Santa Maria da Feira.
Justificar completamente
A actriz Beatriz Batarda prepara-se para mais uma tarde de sessões de expressão dramática, improvisação, leitura, exercícios clássicos. Ensina a 36 dos 70 elementos do clã Monteiro a arte de ser outra pessoa. "Há uma necessidade de perceberem o que estão a fazer. E temos um feedback de prazer: vão e voltam." As aulas são apenas para quem participa, não há lugar para estranhos.

Até Maio do próximo ano, o clã Monteiro concentra-se na história de Romeu e Julieta criada por Shakespeare. Aprende a arte de representar e improvisar, tenta decorar frases, abre as portas de casa e deixa-se filmar para os vídeos que farão parte de um espectáculo, interage com os criativos que chegam com missões específicas. O realizador Marco Martins coordena o processo.

Há várias Julietas e Romeus para a interpretação da peça que está a ser ajustada à realidade da comunidade da Baralha. Algumas frases do clássico da literatura, que nunca por ali tinham sido escutadas, cruzam-se com a linguagem do quotidiano, mas sem a mescla de português, espanhol e algumas palavras de romani que aqui se fala. Ao mesmo tempo, há uma máquina de filmar que se movimenta para documentar o empenho da comunidade no novo projecto e captar as histórias que são temas de conversa.

O resultado é apresentado no Imaginarius - Festival Internacional de Teatro de Rua de Santa Maria da Feira, em Maio, nas casas habitadas pelos ciganos e espaços exteriores.

Samaritana Soares, de 22 anos, morena, olhos e cabelos escuros, argolas nas orelhas, braços constantemente cruzados, espera por mais uma aula. "Não pareço nada a Julieta. Ela é muito linda, alta, magrinha, loura e branca", comenta. A preparação para ser o amor de Romeu começou e Samaritana garante que está preparada para o papel. "Já fiz muitas coisas sobre Julieta... quando Romeu foi à festa... e tanta coisa que já não me lembro." Conhecia a obra de Shakespeare? "Quem?"

António, de 10 anos, não quer perder nada do que anda a acontecer. E conta a história quase sem respirar. "A mulher toma o remédio de dormir e depois achava que estava morta, mas a mulher acorda e olha para baixo e vê que o homem estava morto também, pega numa faca e pum." Esse pum é acompanhado por um gesto em direcção à barriga.

Ao início da tarde, António Monteiro, de 19 anos, dá uma ajuda na obra da única casa de pedra e cal. Não se lembra de nenhuma deixa, confessa que o tempo não é muito para estudar as frases de Romeu. "Sei que tenho de falar com a Julieta, pedi-la em casamento e fugir com ela." A experiência? "Está a ser boa, mas às vezes não dá muito jeito porque tenho de ajudar o trolha", responde com um olhar fugidio.

O projecto está no início e não se resume à interpretação da história de Shakespeare, de que ninguém da Baralha tinha ouvido falar. Na próxima edição do Imaginarius, as casas da terra são o palco para a apresentação de vídeos e curtas cenas assumidas pelas julietas e pelos romeus. De 27 a 29 de Maio de 2010, há um work in progress condensado que resulta de meses de trabalho, cumplicidades, experiências. Gonçalo Waddington, Dinarte Branco já aqui estiveram e vão voltar. Clara Andermatt, Filipa César, André Príncipe, João Salavisa, Alexandre Estrela, Tiago Rodrigues e João Pinto Custódio estão a chegar.

"Mato o Mercúrio"

É domingo e ouve-se música cigana quando se passa pelo meio das casas. A chuva não pára e altera o plano das filmagens. As nuvens afastam-se um bocadinho e passa-se para o exterior. Dois amigos convencem Romeu a ir a uma festa para esquecer Rosalina, a namorada que não lhe presta atenção. É preciso argumentar. Beatriz Batarda faz um ensaio e à segunda filmagem há parabéns. Augusto Monteiro, de 23 anos, é Romeu. Não conhecia a história, mas tem-se preparado como deve ser. "Tenho ensaiado muitas vezes. Li duas ou três vezes os textos que me deram, do livro da história." António, de 20 anos, é o padre, o frei Lourenço, e repete a frase que diz a Romeu: "Vocês amam com os olhos e não com o coração."

O ensaio corre bem. Linguagem actual, com poucas frases de Shakespeare. Filipe Monteiro, de 14 anos, é o primo de Julieta. "Mato o Mercúrio e o Romeu mata-me depois." Filipe culpa a chuva pelos pormenores que não correram tão bem. O céu não dá tréguas e a equipa começa a mudar o equipamento para o interior de uma das casas. A chuva continua a cair sem pedir licença.

Patrícia tem 14 anos e é a Julieta mais nova. Prepara-se para ser filmada na cena em que diz à ama que é muito nova para se casar, depois de saber que lhe escolheram um noivo. A família assiste no sofá da casa com panelas e tachos a reluzir e cobertores dobrados e alinhados ao milímetro. Há muita cor nesse compartimento de sala, cozinha e quarto, aquecido por um fogão a lenha. Marco Martins e Beatriz Batarda dão as últimas indicações e é hora de os estranhos se retirarem. "Contaram-nos a história e aprendi o que não sabia", adianta Patrícia, antes da gravação. "Ainda estamos a aprender e está a ser um espectáculo. Mas esta história vai terminar de outra maneira, com alegrias, com paz, à nossa maneira", desvenda.

Constância é a matriarca das 17 famílias da Baralha. O marido está doente, ela trata das lides domésticas e durante os trabalhos mal se vê fora da porta. "É um teatro que estão a fazer, do Romeu e Julieta." Sabe o que se passa. Viu o filme que foi projectado em Outubro e gostou. "É uma história muito linda e triste porque o Romeu morre e a Julieta mata-se." Olhos azuis intensos, cabelos brancos amarrados numa trança, impõe respeito. "Não tenho tempo para participar, isso é para as mais novas", comenta. "Andam todos animados e podem andar à vontade porque é tudo para nosso bem", diz, 63 anos no bilhete de identidade e 68 no corpo.

O projecto é uma produção do Centro de Assistência Social à Terceira Idade e Infância de Sanguedo (CASTIIS) e do Centro de Criação para o Teatro e Artes de Rua (CCTAR), responsável pela direcção artística do Imaginarius. "Não estamos a montar a peça Romeu e Julieta", avisa Marco Martins. Há um trabalho pedagógico que envolve expressão dramática, dança, vídeo e música. Preparam-se momentos performativos, filmam-se vídeos de partes da história, conversas com os moradores, as histórias dos jovens casais que se apaixonaram e fugiram até as famílias irem buscá-los, como manda a tradição cigana. "Será um espectáculo muito fragmentado, em que se cruzam vídeos documentais com momentos performativos." Como uma instalação, onde não há princípio, meio e fim. "O lado social sobrepõe-se sempre ao próprio espectáculo."

"Adorei o nome Baralha: define bem este sítio." Antes de dizer sim, o realizador conheceu a comunidade, viu vários locais para a apresentação da peça e concluiu que o melhor era não sair daqui. Os artistas que participam podem entrar ou não na peça. Fica ao critério de cada um. Beatriz Batarda poderá fazer um monólogo sobre a sua experiência na Baralha.

É a primeira vez que a actriz trabalha com uma comunidade cigana. "É uma vivência que me é nova, que me desperta muita curiosidade", admite. No terreno, é como gerir "qualquer outra circunstância pedagógica". Beatriz Batarda chegou há três dias e distribui beijos às jovens, carinhos aos mais pequenos, apertos de mãos aos homens. Chama pelos nomes, vai à procura de alguém para uma cena, bate às portas das casas. Já contou a história para que os "actores" se apropriem das características e consigam improvisar. "Há uma enorme curiosidade e dificuldades de timidez que passam pela vergonha. Mas é uma história com que se relacionam com bastante facilidade."

O teatro aparece na Baralha como uma introspecção. "O teatro como instrumento de conhecimento de si próprios e dos outros", explica Renzo Barsotti, do CCTAR. "Há a preocupação que o projecto sirva as duas comunidades: a comunidade cigana e a nossa e que não seja uma coisa demasiado folclorística." Uma aproximação pelo lado artístico. "É importante que este projecto também sirva aos criativos como uma matéria de trabalho, de investigação da cultura cigana."
Cenários de sucata

A comunidade cigana fixou-se na Baralha há mais de 10 anos. Desde então é acompanhada pelo CASTIIS, que há quase quatro anos tem no terreno o Desalojar a Exclusão. Um projecto de integração dos mais pequenos na escola, com vários workshops à mistura, onde nasceu a curta-metragem de animação Carro Preto, Carro Branco, que conquistou uma menção honrosa no Cinanima - Festival Internacional de Cinema de Animação de Espinho do ano passado. Os cenários foram feitos com restos de lixo de sucata.

Foi criada uma cooperativa de habitação, instalado um prefabricado com balneários, que serve de espaço para as oficinas e, neste momento, para as aulas de interpretação, reuniões, ensaios e filmagens. Os ciganos da Baralha estão integrados. Vivem da recolha e venda de sucata e do negócio de cavalos. As crianças vão à escola. E o novo projecto não foge do trabalho feito até aqui. "Pretendemos desenvolver uma dinâmica cultural que envolva toda a comunidade", diz Nuno Oliveira, sociólogo do CASTIIS. Pensou-se "na ideia do casamento maldito" e no clássico da literatura que melhor se adaptasse a uma realidade próxima da comunidade. "E tem sido extremamente positivo".

@ Ípsilon

domingo, 26 de julho de 2009

O Sonho de Afonso | Titanick

Guimarães estava ao rubro, numa prova que afinal faltam raízes e informação sobre artes de rua em Portugal. Frases como "espectáculo como este nunca se viu em Portugal!", "se não estiver cá a televisão vou fazer um escândalo" e "os alemães estudaram com rigor a nossa história" foram algumas das muitas que se ouviram num mar de equívocos vimaranenses.


Começando pelo princípio... estavamos em Guimarães, 25 de Julho de 2009, com dois motivos: encerramento das comemorações dos 900 Anos de D. Afonso Henriques e lançamento de Guimarães 2012 - Capital Europeia da Cultura. A Câmara vimaranense teve visão para fazer algo decente e claro olhou para o Imaginarius/CCTAR.

Ao longo dos últimos 5 meses o Centro de Criação para o Teatro e Artes de Rua de Santa Maria da Feira e a companhia Titanick desenvolveram um espectáculo especial para as ruas de Guimarães que refletiu a vida do primeiro rei de Portugal. 30 actores e 30 voluntários deram vida ao que em Guimarães se anunciava como algo inovador em Portugal... mas porque será que sempre que há espectáculos fora de Santa Maria da Feira ouço a mesma coisa: nunca se viu em Portugal. Será que afinal não sou português e não sei de nada!?
É verdade que tivemos uma grande noite... tanto a companhia como os voluntários estão de parabéns... e também a "falsa" mensagem da novidade absoluta que levou largos milhares às ruas. MAS NO FINAL, pelo menos a mim que estou habituado a outras andanças, SOUBE A POUCO!

Afonso's Dream não passou de um mix de Sarabande (original para o Imaginarius 2008) e World of Pinochio (original para o Imaginarius 2009). Se não houvesse a audácia de acrescentar dois ou três elementos cenográficos novos arriscaria mesmo dizer que estava a ver a mesma coisa, apenas se mudavam os nomes dos personagens... até porque a indumentária em pouco se altera.



Quanto ao espectáculo... tudo começa com a mesma parada de Sarabande, ao jeito do acordar de Pinóquio... "Afonso"... assim se chama pelo pequeno Afonso. Os cavalos e seus cavaleiros loucos desta vez deixam a água e o fogo para outras mãos e apenas seguem na pouco original parada. Uns quantos toques de originalidade monótona marcam a primeira etapa que consegue mesmo invadir o Tribunal de Guimarães... com Afonso fugido entre o arvoredo dos Paço dos Duques aingimos o fim da cena. Seguia-se a mesma parada no centro histórico... algo a que decidi fugir dadas as características do terreno, pouco apto a multidões.

Depois da passagem pela estreitas ruas... a típica parada Titanick atinge o centro da acção, onde milhares esperavam por um grande espectáculo.



Os primeiros 5 minutos ainda trazem novidades... a Guerra e as Conquistas tomam conta da acção até que D. Teresa já presa numa jaula (igual às do Sítio dos Tormentos da Viagem Medieval) assiste ao culminar do "grande" especáculo. E que final decepcionante... já contava com a guerra entre o fogo e a água... e pelo que anunciava a Câmara de Guimarães, muito mais água do que é hábito, pois bem... em termos de encenação pude assistir exactamente ao Banquete do Pinóquio, onde foram utilizados exactamente os mesmos elementos cénicos, a mesma encenação e até a garrafa gigante, que já sem o Castelo da Feira exibia agora a bandeira do reino à época.

Entravam os jogos de água... e de novidade também nada... mais uma vez pude assistir ao mesmo jogo de Sarabande e Pinóquio, e nem o volume de água terá sido superior. O toque final é, como sempre, o apogeu pirotécnico, também muito abaixo do que os Titanick são capazes de fazer. De lembrar os mega espectáculos pirotécnicos finais de Sarabande e da última exibição de Pinóquio no Imaginarius deste ano, já para não recuar ainda mais... mas posso fazê-lo: Firebirds no encerramento do Imaginarius 2002, para quem se recorda.



Resumo da noite: valeu a pena para rever Titanick, embora apenas se passem 2 meses desde o último encontro, mas a novidade grandiosa não existiu, tivemos sim mais do mesmo, com dois ou três toques especiais, adaptando ao contexto pretendido... como o final: o barco "Portugal" na grua, que afinal em tudo faz lembrar o cavalo alado e a charrete de Sarabande.



domingo, 19 de julho de 2009

O Sonho de Afonso

Os alemães Titanick regressam Sábado a Portugal. Após a apresentação do original "O Mundo de Pinóquio" no Imaginarius 2009, a célebre companhia apresenta-se em Guimarães, sob a chancela do Centro de Criação para o Teatro e Artes de Rua de Santa Maria da Feira.
O espectáculo "O Sonho de Afonso" encerra as comemorações dos 900 anos do primeiro rei de Portugal e decorre no próximo Sábado, dia 25 de Julho, pelas 22h, em várias artérias do centro histórico da cidade minhota.
Fica o contexto de cada um dos actos para abrir o apetite para mais um grande projecto de teatro de rua.

Encenação
Esta primeira etapa concentra-se num sonho do jovem Afonso. Neste sonho ele imagina a libertação do seu país da predominância de Castela e a criação de uma nova identidade do seu país. O ponto de partida é uma imagem feliz: o jovem Afonso Henriques está ainda associado à sua mãe, Teresa de Leão. Mas em breve ela vira as costas ao seu filho, optando pelo seu amante, Fernando Peres de Trava da Galiza. Nós vemos o percurso de Afonso a partir do momento em que ele começa a libertar-se da dominação da sua mãe. A sua visão de um país independente nasceu.

A Juventude (Praça do Tribunal)
Impaciente, o povo espera o jovem Afonso e sua mãe Teresa. Eles procuram em toda a Praça do Tribunal, até ao momento glorioso em que filho e mãe chegam: Teresa de Leão aparece, uma mulher magnífica e potente (uma estrutura sobredimensionada de quatro metros de altura), toda vestida de branco.
Sobre os seus joelhos está sentado o jovem homem. A regente dá o sinal e uma parada festiva e gloriosa começa nas ruas de Guimarães.

Alegria de vida (Rua Alberto Sampaio)
Teresa de Leão e Afonso conduzem esta parada festiva, acompanhados por membros do povo em cavalos brancos. A festa nas ruas de Guimarães é acompanhada pela música de uma fanfarra. Os espectadores participam na festa.

A ruptura (Praça da República do Brasil)
Mas a atmosfera muda e a dissonância entre filho e mãe estabelece-se. Chegados à Praça da República do Brasil, Afonso e a mãe afastam-se até ao odeio eterno. Afonso ordena o seu povo a tornarem-se soldados. Com vestes azuis, que caem do céu, eles acolhem a sua nova identidade de soldados.

A guerra (Praça da República do Brasil)
Os soldados entram na guerra para lutarem sob as ordens de Afonso contra as tropas de Teresa de Leão. Vestidos de azul, caminham, caem, levantam-se e recomeçam a marchar, simbolizando assim o soldado eterno – até ao trovão final que os deixa morrer. Uma mortalha é lançada sobre os cadáveres, e Afonso aprisiona a sua mãe numa jaula que desaparece no céu.

O sonho (Praça da República do Brasil)
Afonso Henriques remove a mortalha dos mortos e começa a sonhar: árvores cobertas de tecidos iluminados de diferentes cores, enquadram a cena. Os mortos erguem-se do campo de batalha como a Fénix das cinzas. Afonso imagina um país independente e livre, com a sua própria identidade: Portugal. As personagens principais da sua vida – o barão, o seu educador e outras pessoas – preparam uma festa que decorre a uma mesa gigantesca. O povo celebra o nascimento de Portugal com uma coreografia aquática. O rei Afonso, sentado num trono, observa o cenário. A toalha transforma-se numa vela que empola.
Levado pelo vento, Afonso voa no céu, no seu trono, acompanhado pelos dois cavalos brancos. O seu sonho continua...

terça-feira, 30 de junho de 2009

Festival dos Oceanos 2009

1 a 15 Agosto
Lisboa

1 Agosto
James Morrison
Jardins de Belém

4 e 5 Agosto
Concerto de Percussão
Pala Pavilhão de Portugal

6 e 13 Agosto
Museus à Noite

7 Agosto
Concerto Os Planetas
Jardins de Belém

8 e 9 Agosto
Passarola Bartolomeu de Gusmão
Estação do Oriente, Estação Sul e Sueste e Jardins Vieira Portuense

8 Agosto
Ópera ao Ar Livre
Jardins de Belém

9 Agosto
Evento de Arte Pública
Parque das Nações

10 Agosto
Conferência do Ano Internacional da Astronomia
Pavilhão do Conhecimento

11 e 12 Agosto
Piano Vertical (Floten Tecles)
Praça do Teatro de S. Carlos

14 Agosto
Espectáculo Circense
Parque das Nações

15 Agosto
Espectáculo Piro-Musical
Parque das Nações

De notar que uma vez mais a organização do Festival dos Ocenos opta por nomenclatura própria para os espectáculos, o que ofusca o nome das companhias. Volto uma vez mais a tocar no assunto... ainda há tempo de à frente do nome dos espectáculos surgir o nome de que está por detrás deles.

"Cenas na Rua"

A quinta edição do “Cenas na Rua”, de 01 a 11 de Julho, conta com muitas novidades na sua programação e alguns dos melhores grupos e projectos portugueses e internacionais.

Da comédia clássica burlesca, comédia d’el arte, aos espectáculos visuais e de interacção com o público, um pouco de tudo poderá acontecer no “Cenas na Rua” deste ano. Estarão presentes, em Tavira, espectáculos vindos de Espanha, Argentina, Austrália e Inglaterra, também companhias nacionais, como o Teatro Regional da Serra do Montemuro, Associação Vo’Arte, Joana Teatro, Acta- A Companhia de Teatro do Algarve, Teatro ao Largo, Al-Masrah e Armação do Artista.
Teatro e artes de rua para todos, em vários locais da cidade, a não perder….

Programa AQUI

FIG - Festival Internacional de Gigantes

3 a 5 de Julho 2009
Pinhal Novo

7ª edição do FIG está a chegar!

Os Gigantes invadem a vila de Pinhal Novo, concelho de Palmela, entre 3 e 5 de Julho. É a 7ª edição do FIG, o Festival Internacional de Gigantes, promovido pela Câmara Municipal de Palmela, em conjunto com os parceiros Bardoada – O Grupo do Sarrafo, ATA – Acção Teatral Artimanha, Associação Juvenil COI e PIA – Projectos de Intervenção Artística.

Mais internacional do que nunca, o FIG recebe artistas de Espanha, França, Itália, Inglaterra, Brasil, Colômbia, Índia e, claro, Portugal – com propostas de todas as cores… e de todos os tamanhos! Aos gigantones e cabeçudos das nossas aldeias e às arruadas festivas com a presença dos bombos e das gaitas de foles, o programa alia teatro de rua, músicas do mundo, dança, marionetas, exposições, artesanato e ateliês. As figuras gigantes estarão sempre em destaque, dos tradicionais às performances contemporâneas. Durante a tarde de domingo, os participantes percorrerão as ruas de Pinhal Novo num desfile com várias centenas de participantes - artistas, gigantones, orquestras de bombos, fanfarras e alunos das escolas do concelho.

O FIG desenrola-se entre o Jardim José Maria dos Santos e a Praça da Independência, num recinto agradável e acessível, com motivos de interesse para toda a família e onde é possível passar três dias de grande animação. Os produtos regionais de qualidade também estarão em destaque, com um espaço gastronómico ampliado e a participação dos produtores locais.

Além do programa de espectáculos, destaque, também, para os espaços de “Conversas sobre Cultura Popular” onde se realizará o lançamento do Livro de Histórias de Gigantes – um livro infantil que compila contos tradicionais portugueses com referência a figuras gigantes, editado pela Câmara Municipal de Palmela, com o apoio do IELT/FCSH da Universidade Nova de Lisboa - e a apresentação da maleta pedagógica FIG, e para a Exposição “Máscaras Portuguesas” de André Gago, que estará patente no Foyer do Auditório Municipal e no Mercado Municipal de Pinhal Novo.

O FIG saiu à rua, pela primeira vez, em 1995, por iniciativa da Câmara Municipal de Palmela, no âmbito do Programa Municipal de Teatro, com o propósito de recuperar elementos tradicionais da nossa cultura popular, promovendo, em simultâneo, o seu cruzamento com expressões artísticas contemporâneas… A desproporção e o gigantismo são o denominador comum. O Festival é membro fundador da Rede de Festivais de Cultura Popular, uma rede internacional, constituída em 2004 por festivais de Portugal, Espanha, Itália e Brasil, com o objectivo de criar um circuito de comunicação intercultural e de promoção das diferentes identidades regionais e nacionais.

Nesta edição, o FIG apresenta, como parceiros associados, a Generalitat da Catalunha, o IELT – Instituto de Estudos de Literatura Tradicional, a Junta de Freguesia de Pinhal Novo, a ADREPES – Associação para o Desenvolvimento Rural da Península de Setúbal e a Rede Nacional de Cidades e Vilas com Mobilidade para Todos.

Alguns Grupos Participantes:

Compagnie D’Ailleurs – Teatro de Rua – França
Compagnia dei Folli - Teatro de Rua - Itália
Kalatharangini Troup - Teatro/Dança – Índia
Les Branks – Música - França
Teatro do Mar – Teatro de Rua – Portugal
La Mata Negra – Música – Espanha
Pia | Projectos de Intervenção Artística – Teatro de Rua - Portugal
Fantoches de Baj – Formas Animadas - Espanha
Whalley Range All Stars - Teatro de Rua - Inglaterra
Taraf Goulamas - Música - França
S.A. Marionetas - Marionetas – Portugal
Son del Mundo Infantil – Marionetas - Colômbia
Radar 360º - Teatro de Rua – Portugal
Enano – Circo – Portugal
Delfim Miranda – Marionetas – Portugal
Ecos do Sul Marionetas – Marionetas - Portugal
Teatro Artimanha – Teatro – Portugal
Marionetas do Porto – Marionetas – Portugal
Associação FIAR – Teatro/ Circo – Portugal
Arte Clandestina – Teatro de Rua – Portugal
Bardoada, o Grupo do Sarrafo – Música - Portugal
Cercle Internacional d’Amics dels Gegants – Tradicionais – Espanha
Colla Legañes – Tradicionais – Espanha
Colla Logroño – Tradicionais - Espanha
Pifaradas e Zabombadas – Tradicionais – Portugal
Chamarrita – Música - Portugal
Tócandar – Música – Portugal
Kabum – Música – Espanha
Gigabombos – Música – Portugal
Bombo Juvenil – Música – Portugal
SacaSons, Grupo de Toques e Cantares Tradicionais de Zebreira – Música – Portugal
Contradições – Música – Portugal
Orquestra de Armação de Olinda – Música – Brasil
Troça Carnavalesca Mixta Barbapapa – Música/Dança – Brasil
Tambores de Guaramiranga – Música – Brasil

PIA estreia "Humanum Fatum"

4 Julho
Festival Internacional de Gigantes
Pinhal Novo


domingo, 28 de junho de 2009

Floten Tecles em Portugal

Cenas na Rua
4 Julho
Tavira

Festival Sai Prá Rua
23 e 24 Julho 2009
23h
Valença

Festival dos Oceanos
11 e 12 Agosto
Lisboa
Praça do Teatro de S. Carlos

2 Outubro
Porto


quinta-feira, 25 de junho de 2009

Sai Prá Rua em contagem decrescente

Dentro de um mês o Sai Prá Rua - Festival de Rua de Valença volta a atrair atenções ao Minho. A edição 2009 ainda não tem programa fechado, mas já apresenta as companhias presentes. Com a novidade da introdução de macroespectáculos e a crescente componente musical, a edição deste ano promete dar que falar.

Bruno Nogueira

Voalá
A companhia argentina regressa a Portugal após paragens no Imaginarius 2008 e FITEI 2009.

Floten Tecles
Piano a 7 metros de altura.

Teatro Gestual do Chile

Jashgawronsky Brothers
Banda de conhecida excentricidade musical.

Slampampers
Musicómicos holandeses.

The Great Gondos
Espectáculo de comédia pleno de asneiras românticas.

Duo Full House
Da comédia ao cabaret, passando pela acrobacia...

Sonhos e Miminhos
Espectáculo para crianças.

Joel Salom
Humor, malabarismo, acrobacia e circo...

Mr Bunk
Que tipo de espectáculo é?

Companhia Albedo
Dois guarda-costas com a missão de proteger a cidade e os seus habitantes.

High Rise Rubber
Duas criaturas loucas, maníacas e assustadoras...

The HomoCatodicus
Passeiam-se com os seus rostos pela sociedade de imagens.

Fire and Ice Stilt Dragons
Viajando pelas terras distantes do fogo e do gelo...

Banda às Riscas
Reportório musical alegre e deambulante.

Always drinking Marching Band
Músicos e Actores Profissionais de Barcelona.

Oli & Mary
Um pezinho de dnça não posia faltar... a improvisar...

De 23 a 26 de Julho as Artes de Rua voltam a reinar em Portugal.

sexta-feira, 5 de junho de 2009

Sai P'rá Rua 2009

A terceira edição do Festival de Artes de Rua de Valença realiza-se de 23 a 26 de Julho de 2009. Novamente com produção da Ritmos, o Festival anuncia brevemente o seu programa.

segunda-feira, 1 de junho de 2009

Máquina de Fazer Rios e Animar Espíritos [Imaginarius 2009]

Mais Imaginarius... Ramones

Mas que Imaginarius

Finalmente tenho um tempinho para refectir sobre a nona edição do Imaginarius - Festival Internacional de Teatro de Rua de Santa Maria da Feira... e que edição. À partida não me atrevi a fazer prognósticos, até porque o programa trazia muitas novidades... e a logística exigia muito mais esforço. Felizmente, o CCTAR e a Feira Viva, mais uma vez estiveram no seu melhor. Mesmo com todos os obstáculos que o grande crescimento do festival criou, a edição 2009 deu bem mais nas vistas, com maior número e variedade de espectáculos e com muito mais público. Essa era uma sensação universal nos visitantes de sempre.
O maior envolvimento da comunidade cria raízes e permite a instituição de novas dinâmicas criativas, para além de dar nova vida ao Festival, que muitos tentam vender por pré-fabricado. O Imaginarius é diferente dos seus congéneres e apresenta um programa, que com excepção de 3/4 macroespectáculos comprados, nada tem de pré-fabricado. O número de criações originais e co-produções é bem significativo da actividade já desenvolvida pelo CCTAR, mesmo sem casa.
Mas o Imaginarius consegue ainda mais... a criação de macroepectáculos originais e a adaptação de projectos existentes à realidade da Feira e do Festival são outras características diferenciadoras.
Com as novas dinâmicas impostas pelos reajustes de figurino desta edição, o Imaginarius assume-se cada vez mais como "a" referência das Artes de Rua em Portugal... estando em grande destaque na rota dos festivais de artes de rua na Europa.
Aguardemos pelos desenvolvimentos do projecto do CCTAR e o pelo prolongamento dos projectos Imaginarius ao longo de todo o ano.

Trio Cosacco com Jean Marc Dercle [Imaginarius 2009]

Mais Imaginarius... Me Myself & My Love

domingo, 31 de maio de 2009

Mais Imaginarius... Les P'tis Bras

Mais Imaginarius... Lisa Giorgi

Odin Teatret | Meu Coração Viagem

Grande produção dos Odin Teatret, com a participação de cerca de 2 centenas de feirenses. Um projecto que no último ano se dedicou à criação de espectáculo que conseguisse conciliar as tradições da região para contar uma história. Missão mais do que cumprida... e uma grande ovação no final da última apresentação no Imaginarius 2009. A companhia dinamarquesa e todos os participantes estão de parabéns.







Puja! | Do Do Land

O último macro-espectáculo do Imaginarius 2009 voltou a surpreender... mas não muito. Confesso que esperava mais do regresso dos Puja! a Santa Maria da Feira. O novo Do Do Land trouxe muitas novidades cenográficas, mas deixou para trás a adrenalina e agitação do K@osmos.
Indiscutivelmente um grande espectáculo... fabuloso para quem viu pela primeira vez, mas soube a pouco para quem marcava um reencontro com a companhia argentina.




Kumpania Algazarra [Imaginarius 2009]

Mais Imaginarius... Grupo Pé de Palco

FIAR/Imaginarius | Circundar: Uma Rampa para ti

sábado, 30 de maio de 2009

Mais Imaginarius - 29 Maio

Hoje deixo mais 2 projectos do "Mais Imaginarius":

Jorge Freitas



Inês Negrão

CCTAR oficialmente apresentado

Dissipam-se as dúvidas... apresenta-se um grande projecto. Ao primeiro impacto não encontro adjectivos para descrever aquilo que vi e ouvi há poucos minutos. Terminada que está a Conferência de apresentação do projecto base de arquitectura do Centro de Criação para o Teatro e Artes de Rua de Santa Maria da Feira continuo a tentar recompor-me do mega projecto que foi descrito. Não é que o Centro em si seja maior do que estava previsto, mas a localização escolhida e os pormenores do projecto são deveras fabulosos.

Renzo Barsotti abriu a palestra com uma breve descrição do Centro e a sua justificação na tradição feirense nas artes de rua, ímpar em Portugal. De seguida o arquitecto Bernardo Rodrigues era convidado a apresentar o seu projecto para o CCTAR.

Para começar há que realçar que as duas propostas de localização que foram a concurso de ideias ficaram pelo caminho. A localização final é mesmo na degrada visual e ambientalmente Pedreira das Penas, em pleno centro de Santa Maria da Feira. O antigo Tribunal e antigo Matadouro ficam de fora.

O edifício desenvolve-se no limite poente do "lago" da pedreira, apresentando-se sob um grande espelho de água que permitirá nova inspiração para a criação de espectáculos. O terço mais a sul da pedreira será "seco" e ocupado por 3 pisos de estacionamento subterrâneo, assim como pelo acesso ao Centro. A construção neste local não afecta os terrenos da antiga fábrica, pelo que o acesso se fará pela Av. Egas Moniz, junto ao Cine Teatro. Para tal, as duas escolas E.B.1 serão demolidas dando lugar a uma nova praça para a cidade. Mas esta não será a única... no final do percurso de acesso ao edifício desenvolve-se uma Praça semi-coberta pela espectacular pala do edifício em S que em muito faz lembrar o Museu de Arte de Bilbao.

O edifício organiza-se em vários pisos, sendo que o mais inferior se destina à instalação de apartamentos para residências artísticas literalmente "debaixo de água". A sala de ensaios/montagens de 200 m2 comunica com o salão principal com cerca de 600 m2. Assim, o espaço amplo atinge os 800 m2, com pé direito que varia entre os 5 metros no extremo da sala de ensaios e os 17 metros no extremo oposto do salão.
Os pisos superiores destinam-se a salas para criação e outras actividades, serviços de apoio e direcção. O declive natural devidamente aproveitado permite outra opção de espectáculos exterior, através da utilização de uma estrutura flutuante no "lago" da pedreira.
O CCTAR, cujo projecto ainda está em fase de desenvolvimento marcará fortemente a evolução arquitectónica da cidade durante décadas. Um edifício desta natureza, num local tão sensível, que será francamente recuperado, deixará novo alento para a requalificação urbana da cidade feirense.

Por fim, o Presidente da Câmara, Alfredo Henriques, tomou da palavra para lembrar dos esforços que estão a ser feitos... e ainda do maior pormenor de todos: tudo isto não passa de um projecto que se não for aprovado em QREN não terá pernas para andar, pelo menos tão cedo.
Mas por outro lado, a cidade feirense é sem dúvida a cidade portuguesa com maior tradição e know-how acumulados neste domínio das indústrias criativas, daí que as possibilidades de aprovação do projecto sejam grandes.
De referir ainda que a correr tudo pelo melhor, sendo a candidatura QREN aprovada, dentro de 1 ano estaremos no Imaginarius 2010 a lançar a primeira pedra do CCTAR.

Les Commandos Percu | Très Méchant(s)

Não há palavras para descrever esta maravilha. Os últimos 8 anos (desde o meu último encontro com esta companhia) marcaram uma fantástica evolução. Se as expectativas já estavam altas, o resultado final superou largamente.
Vale mesmo a pena dar uma olhadela às imagens, para ver ou recordar um dos momentos mais marcantes desta edição Imaginarius.

Circolando | Casa-Abrigo

Absolutamente fabuloso. No silêncio do Claustro do Convento dos Lóios as estranhas habitantes desta Casa-Abrigo abrem-nos as portas para uns momentos onde a fantástica capacidade de criação dos Circolando nos leva para outra dimensão. Um projecto muito bem conseguido, levado à cena num espaço absolutamente perfeito... onde nem o som dos pombos a esvoaçar faltou.
Esta noite há mais 2 exibições desta versão concerto de "Casa-Abrigo"... a não perder!

sexta-feira, 29 de maio de 2009

Botproject | Collage

Este ano, o Imaginarius não se fica pelas companhias da habitual progamação. Pela primeira vez, o festival abre as portas às designadas companhias de passagem. Tratam-se de novas propostas que se apresentam ao público, produtores e programadores... uma espécie de grito de alerta: "este espectáculo está à venda". O Rua D'Emoções não poderia ficar de fora. Assim sendo, ao longo do Imaginarius estarei presente em alguns dos espectáculos, que cá serão apresentados. A primeira proposta da secção "Mais Imaginarius" é Botproject, com o espectáculo "Collage".

Chris Lynam e Kate McKenzie - Popcorn Club 2

O bom humor de Chris Lynam e a voz bem viva de Kate McKenzie estão de volta ao Imaginarius. O espectáculo entra todos os dias pela madrugada dentro na secção "Imaginarius Encore". Não são precisas palavras para descrever o espectáculo... só mesmo assistindo! Volta ao Imaginarius hoje e amanhã à 01h00, no Largo Gaspar Moreira.

Titanick Theatre - "O Mundo de Pinóquio"

Depois de alguma desilusão em 2008, desta vez os alemães Titanick Theatre não quiseram ficar mal. O espectáculo concebido propositadamente para o Imaginarius pode apelidar-se de uma verdadeira maravilha. O percurso de Pinóquio pelas ruas da cidade é absolutamente surpreendente... nada a que a companhia já não nos tenha habituado... mas desta vez, tudo é feito à medida de Santa Maria da Feira.

Na Praça Prof. Leão, o Pinóquio acorda e, claro, toma o seu banho... em seguida começa a parada na companhia das outras personagens do conto da Carlo Collodi. O percurso até à envolvente da Casa do Moinho é deveras utópico e repleto de imagens do imaginário infantil. À chegada à paragem final o apogeu atinge-se passo a passo. A já bem conhecida guerra entre a água e o fogo volta a estar em destaque, dando mais vida à refeição do Pinóquio, regada por um bom vinho, marca Castelo da Feira.

Uma paragem obrigatória para os visitantes Imaginarius... o espectáculo volta a sair à rua hoje e amanhã, sempre à 23h30.




Dia 1 Imaginarius 2009

O que escrever sobre o primeiro dia da nona edição do Imaginarius? Nem sei por onde começar.
O Festival Internacional de Teatro de Rua de Santa Maria da Feira desde cedo se transformou na referência nacional no que às artes de rua diz respeito, mas os últimos anos trouxeram uma evolução por poucos ambicionada. Com a edição 2009 cai por terra o mito da "falsa cultura". Basta olhar para a envolvência impar da comunidade nos projectos do festival... e a quantidade de novos "actores", que facilmente se percebe que ficam marcas e se criam raízes. O Centro de Criação para o Teatro e Artes de Rua começa a marcar o seu papel na comunidade e desmistifica muito do que havia para provar quanto à utilidade do festival no que à educação para a cultura diz respeito.
Hoje li um comentário onde mais uma vez se afirma que no Imaginarius não há cultura, mas sim um rasto de espectáculos efémeros. No mesmo texto se fazia referência à definição de cultura e à necessidade de transformar o público em actor... mas não é isso que acontece desde sempre na generalidade dos espectáculos de Artes de Rua? O Imaginarius é a prova vida de que a cultura é para todos e não tem de ser dispendiosa. No Imaginarius está a mostra de que nem só com grandes profissionais das artes da representação, da música e do circo se produzem grandes espectáculos e fantásticas histórias.
Quanto aos espectáculos, ao primeiro dia entrei a "matar". La Fura dels Baus foram a minha primeira incursão no Imaginarius 2009 e tal como outras 1000 pessoas, não me arrependi. Não há palavras para descrever os 70 minutos completamente alucinantes, que hoje e amanhã se voltam a repetir no Pavilhão da Lavandeira.
Mais tarde era tempo de entrar no "Mundo do Pinóquio" e que grande produção. O casamento produtivo dos ACERT com os Titanick resultou num filho genial ao qual vale a pena assistir.
Para terminar a noite haveria que entar na nova secção "Imaginarius Encore" e lá me esperava uma vez mais o grande Chris Lynam acompanhado da já conhecida Kate McKenzie... era o Popcorn Club 2, com muito humor a fechar a noite.
Nos intervalos foi tempo de "Mais Imaginarius", mas esta temática fica para outra ocasião. Hoje o Pinóquio já foi ao Teatro de Marionetas com algumas escolas da cidade e às 21h30 volta a ligar-se a máquina da Imaginação. Destaques do dia para a nova criação da Instável Orquestra e para a estreia em Portugal do mais recente espectáculo dos franceses Les Commandos Percu.

La Fura dels Baus | Imperium

A companhia catalã La Fura dels Baus, destaque desta edição Imaginarius, deu o mote para a primeira noite do festival. Ontem às 21h30 tinha início a primeira apresentação em Portugal do último espectáculo concebido em código de linguagem furera.
Uma abordagem multidisciplinar contra todos os tipos de imperialismo, que marca sem qualquer dúvida esta edição do festival. Tudo começa com o medo... o caos e insegurança. E eis que chegam os supostos líderes... as palavras conseguem mesmo inundar as cabeças e alguém vence o primeiro combate. Mas a festa rapidamente se transforma num clima de "domesticação". Há que seguir as instrutoras... que controlam o público como um domador trata de um leão. Há que reformular ideias e pensamentos, assim como modos de agir. Depois do ensino chega o momento do teste... e quem não está preparado é mesmo posto de lado.
Mas a sede de poder é infinita... e o Império vai mesmo desabar... as pupilas matam as instrutoras e lutam entre si pelo poder... e quem ganha afinal? A morte!




quinta-feira, 28 de maio de 2009

Está na rua o Imaginarius 2009

28 de Maio de 2009, dia 1 da 9ª edição do Imaginarius - Festival Internacional de Teatro de Rua de Santa Maria da Feira e simultaneamente dia 1 da 1ª edição "Mais Imaginarius" - Santa Maria da Feira - Espaço Público, Espaço de Liberdade.
São mais que muitas as propostas desta edição do festival... não vou voltar a escrever sobre destaques, mas fica de novo o convite para uma visita ao centro histórico de Santa Maria da Feira, para 70 horas dedicadas às Artes de Rua.
Ontem foi o dia 0, onde reinaram os ensaios e muito já se pode ver. O ensaio geral de "Meu Coração Viagem" e o grande ensaio do "Mundo de Pinóquio" foram apenas dois dos espectáculos que ontem já deixaram um cheirinho do que aí vem. As instalações já estão na rua e mais logo às 21h30 tem oficialmente início o festival com a sequencia alucinante de espectáculos um pouco por todo o centro histórico da cidade. E tudo só termina já de madrugada com a nova secção "Imaginarius Encore".
Sejam benvindos ao Imaginarius!

terça-feira, 26 de maio de 2009

Imaginarius em destaque no CircoStrada

A Plataforma Europeia para o desenvolvimento das Artes de Rua dá este ano destaque máximo ao Imaginarius. O Festival de Teatro de Rua de Santa Maria da Feira surge na página de entrada do site desta entidade, lado a lado com o Festival de Valladolid.

domingo, 24 de maio de 2009

Imperium | La Fura dels Baus

Muito haveria para escrever sobre aquela a que arrisco apelidar da maior companhia de teatro espanhola. As características das suas obras, aliadas à multidisciplinaridade das apresentações transformam um projecto irreverente num verdadeiro poço de criatividade. Dos espectáculos de cenário às óperas, muitos espectáculos compõem o historial da companhia, mas é ao nível dos projectos concebidos em linguagem furera e nos macroespectáculos que a companhia atinge o expoente máximo de notoriedade.

Os La Fura dels Baus nascem em 1979, portanto há 30 anos, traçando desde a sua génese um percurso dominado pela constante evolução e pelas novas incursões a nível das artes cénicas. Nos primeiros anos o projecto dedica-se exclusivamente a teatro de rua, combinando desde logo vários recursos cénicos numa só produção. A maior inovação da companhia passou pela criação de espectáculos muito interactivos, em que de repente o tradicional espaço do público é invadido pela acção. O seu trabalho, desde cedo, se conseguiu adaptar de forma impar ao espaço arquitectónico da acção. Desta fusão de técnicas e disciplinas das artes cénicas nasce a maior característica da companhia: a linguagem furera. É sob este código de elaboração de espectáculos que os catalães se apresentam na edição 2009 do Imaginarius – Festival Internacional de Teatro de Rua de Santa Maria da Feira.

Embora tal já fosse deveras marcante, os La Fura não se ficaram por aqui. Em 1992 a companhia aventura-se num novo projecto: a concepção da cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos de Barcelona. E assim nascia a segunda vertente mais marcante deste projecto: os macroespectáculos.

Ao longo do tempo a companhia soube sempre evoluir e não deixou escapar a revolução tecnológica. Hoje, cada vez mais, presentes nos espectáculos da companhia estão efeitos de projecção multimédia e efeitos visuais e sonoros, que superam os habituais limites da acção teatral.


Na edição deste ano do Imaginarius, os La Fura apresentam “Imperium”, a sua mais recente produção concebida sob o código de linguagem furera. “Imperium” afirma-se como uma abordagem contra todos os tipos de imperialismo. As palavras de Jurgen Muller (fundador dos La Fura) são bem representativas do espectáculo:
«”Imperium” é um convite ao pensamento invertido, a remar contra a maré, a desorientar-se (...), conjugando a energia do nascimento e do enterro. É um lugar destinado a recuperar o prazer da diversidade, a sair do conceito standard».
“Imperium” representa, ainda, um marco histórico para a companhia, inicialmente composta exclusivamente por homens, ao apresentar o seu primeiro espectáculo representado apenas por mulheres.

De 28 a 30 de Maio, o Pavilhão da Lavandeira (Santa Maria da Feira) recebe esta brutal produção, sempre às 21h30. Os bilhetes estão á venda, sendo a lotação limitada a 1100 espectadores por sessão.

O espectáculo desenrola-se em 5 actos... as 5 etapas do processo imperial.

MEDO
O público entra num espaço onde se encontra com o caos... enfrenta o medo. Esta primeira cena invoca na mente do espectador os monstros da sociedade: a morte dolorosa, a impotência, o desânimo, o vício, a ruína material, a insegurança, o terrorismo...


ORATÓRIAS
Na segunda etapa do processo imperial surgem os discurssos, como antídotos do medo. A activista, a hedonista e a moderadora irrompem pelo espaço criando três câmaras. Dali vão lançando a sua mensagem ao público. Palavras diferentes, embora sempre com a mesma ideia: se vieres comigo, eu tratarei dos teus medos. O espectador tem um período limitado de tempo para escolher em que espaço se quer refugiar. A vida fora das câmaras torna-se impossível.

DOMESTICAÇÃO
A terceira fase corresponde à produção de domesticação física e mental. A segurança tem um preço e eis que chegou a hora de o pagar. As instrutoras começam a domesticação do público através do fogo e manipulação do espaço físico. O que antes era um espaço livre está agora transformado num conjunto de vias marcadas pelas instrutoras. O espectador converte-se em “ovelha”, para pagar o preço da segurança.
De seguida, o público volta a encontrar refugio debaixo de uma grande tela, onde se projectam os textos das mensagens de domesticação física e mental, tal e qual o mito da caverna de Platão. A grande tela acaba por cair sobre o espectador, obrigando-o a ajoelhar-se para se poder libertar. A domesticação física chega ao fim com este acto de vassalagem.
A fase final é a auto-censura. Todo o processo de domesticação incluí uma etapa de autodestruição das partes que não querem colaborar. Nesta sequência, as instrutoras destruirão bonecos de palha que confirmam a derrota do inimigo interno: a consciência.


CONVERSÃO
Finalmente, atinge-se a etapa da conversão. As instrutoras escolhem as pupilas entre o público para passar à fase seguinte: conversão ou morte. Ao entrar na zona de conversão, as pupilas devem mudar de pele. Esta mudança é também realizada pelo espectador, banhado com areia branca.
O culminar do processo imperial é o canibalismo. Desta forma, as pupilas devem comer uma delas. Captura, sacrifício e ritual canibal como prémio para todas as que atingiram o pico do processo, que tem como testemunhas os espectadores.


TODAS MORTAS
Porém, a cadeia de mortes que envolve o processo imperial é infinita. A lei do “olho por olho” só tem um final possível: todas mortas. E assim é, o poder quer mais poder e as pupilas matam primeiro as instrutoras e depois desatam numa guerra fatídica em torno da pirâmide. No final, as duas últimas pupilas realizam entre elas um duelo até à morte.
A última etapa do imperialismo é uma estação onde só há morte e vício. Só resta o vento e o intenso cheiro a morte.


De referir ainda que a presença da companhia catalã em Portugal não se resume a Santa Maria da Feira. Em simultâneo com o Imaginarius, embora apenas dias 28 e 29 de Maio, os La Fura apresentam-se no Coliseu do Porto, no âmbito do FITEI, com o seu novo espectáculo de cenário Boris Godunov. O mesmo espectáculo será apresentado em Lisboa, no Centro Cultural de Belém de 28 a 31 de Julho.

sexta-feira, 22 de maio de 2009

"Voluntarius Imaginarius"

A Feira Viva procura, para a Edição Imaginarius 2009, voluntários que ajudem a concretizar mais um Festival Internacional de Teatro de Rua em Santa Maria da Feira. Necessitamos de voluntários, com idade superior a 16 anos, em funções a partir de 25 de Maio, segunda-feira. Os interessados deverão contactar a Feira Viva pelo 256 330 900 ou pelo 93 778 10 25.

quarta-feira, 20 de maio de 2009

Algazarra no País das Maravilhas [Imaginarius 2009]



O "Imperium" do Pinóquio transforma-se numa mega parada por entre uma cidade feita de contentores de várias cores. Numa "Casa Abrigo" refugia-se o "Meu Coração Viagem", num espaço remoto onde uma "Instável Orquestra" toca estranhas composições com inovadores instrumentos. Alunos e professores mostram a sua criatividade num espaço cada vez "Mais Imaginarius", onde se projectam as novidades das Artes de Rua.
A pirotecnia percursiva transforma-se num concerto bem ritmado, na fronteira do tão ambicionado Mundo das Maravilhas, onde a Alicia se apresenta animada. Deste "Do Do Land" nasce a vontade de ser palhaço por um dia, abrindo-se as portas a um reinado de clowns e gargalhadas.
A "Algazarra" não vai faltar em quatro dias passados na rua. As "Texturas" da cortiça abrem as portas da fábrica, que de repente se transforma em sala de espectáculos... e uma "Rampa" encaminha-nos à "Máquina de fazer rios". Mas será preciso tal coisa?
No Imaginarius - Festival Internacional de Teatro de Rua de Santa Maria da Feira tudo isto está presente. A 9ª edição promete muitas emoções, sorrisos, surpresas e, claro, muitas novidades bem animadas. De 28 a 31 de Maio o centro histórico de Santa Maria da Feira volta a mostrar-se um verdadeiro palco de experiências. Absolutamente imperdível!

Imprensa mergulha no Imaginarius

Nos últimos dias a imprensa tem dado especial atenção ao Imaginarius. Se o primeiro tema em destaque foi a presença dos catalães La Fura dels Baus em Santa Maria da Feira, rapidamente o tema passou a ser o Pinóquio gigante a parada de água e fogo preparada pelos Titanick. Em dia de apresentação do Projecto da FBAUP, os contentores e a invasão estética da cidade são novo motivo de interesse.
Deixo uma das referências da imprensa de hoje, mais concretamente do gratuito Metro, onde o Pinóquio dos ACERT partilha a página com a apresentação da candidatura de Rui Rio à Câmara do Porto.


segunda-feira, 18 de maio de 2009

Projectos IMPORTA/EXPORTE

São 19 contentores de mercadorias que já esta semana começarão a invadir a cidade de Santa Maria da Feira. Trata-se de um grande projecto da Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto para o Imaginarius... que vai dar que falar.
Desengane-se quem pensa que a Feira se vai transformar num porto de mercadorias por 4 dias... nada disso! Trata-se de "contentores arte" como já lhes ouvi chamar. Cada contentor, ou conjunto de contentores associado aos projectos desenvolvidos pelos alunos dará lugar a um espaço artístico, onde abunda a imaginação e a inovação. Serão muitas as surpresas... mas vale a pena levantar a ponta do véu e desvendar as localizações finais, temas e pequena descrição dos projectos que ainda esta semana começam a ganhar vida na cidade "Capital das Artes de Rua".

Projecto NON-STOP
Parque de Estacionamento junto aos Bombeiros
28 a 31 Maio (11h às 24h)
» Contentor Motor, instado sobre troncos de madeira

Projecto REPRESENTAÇÃO
Eira do Solar de Fijó
28 a 31 Maio
» Dois contentores; um sobre o outro, como que o espelho do espigueiro

Projecto DE PASSAGEM
Cruzamento da Rua dos Descobrimentos com a Rua. Dr. Vitorino de Sá
28 a 31 Maio (11h às 24h)

Projecto PRECIOSIDADE
Rossio (junto ao Rio Cáster)
26 a 31 Maio
» destaque para as 2500 garrafas com terra

Projecto TURISTA INFINITO
Rossio (marco do correio)
28 a 31 Maio (9h às 24h)
» entrega de postais para serem enviados por correio

Projecto ANEXO (DEPÒSITO)
Junto à rotunda da Av. Belchior Cardoso Costa
28 a 31 Maio (16h às 24h)
» contentor sombra

Projecto DEPÓSITO
Rua das Fogaceiras (junto à rotunda)
28 a 31 Maio (14h às 24h)

Projecto ARQUIVO DE MEMÓRIAS
Átrio da Biblioteca
28 a 31 Maio (14h às 24h)
» exposição texto e vídeo das memórias imateriais

Projecto OCULAR
Travessa Varinho dos Jornais
28 a 31 Maio (10h às 24h)
» contentor fechado com porta de madeira e óculo para visionamento interior

Projecto LINHAS DE RELAÇÃO
Pátio Solar dos Condes de Fijó
28 a 31 Maio (10h às 24h)
» memórias imateriais

Projecto AFECTOS
Jardim frente ao Solar de Fijó
25 a 31 Maio (14h às 24h, com sessões de 2 em 2 horas)
» ambiente costura

Projecto REVESTIR
Praça de Camões (junto à fonte)
26 e 27 Maio (10h às 12h e 14h às 16 para escolas; 16h às 20h para o público em geral)
28 e 29 Maio (10h às 12h e 14h às 16 para escolas; 16h às 24h para o público em geral)
30 e 31 Maio (14h às 24h)
» atelier de gravura

Projecto ÍNTIMO
Rua Dr. Roberto Alves
28 a 31 Maio
» ambiente sala de jantar

Projecto MUTANTE
Rua dos Descobrimentos (junto ao Mercado)
28 a 31 Maio (11h às 24h)
» contentor revestido por bolha

Projecto LOUNGE
Parque Estacionamento Av. Belchior Cardoso Costa
28 a 31 Maio
» praça de lazer formada por 4 contentores

domingo, 17 de maio de 2009

Sem palavras...

...uma curta frase resume tudo!
2500 pessoas em "Delirium" num "Quidam" de nome "Varekai". E com os 3 espectáculos que os canadianos Cirque du Soleil trouxeram nos últimos anos a Portugal se consegue o que poderia ser o slogan de uma noite fantástica de emoções... sorrisos, surpresas, alegria e muito boa disposição, num mundo verdadeiramente mágico e incomparavelmente perfeito.
Da logística aos artistas, da recepção às condições do Grand Chapiteau... tudo é perfeito naquilo a que designo num mundo à parte. É caso para dizer queremos mais! Voltem... e de preferência passem também pelo norte.

Texturas - Sessão Extra e Conversas

A forte adesão do público ao espectáculo de teatro comunitário do projecto "Texturas" motivou a marcação de uma sessão extra no dia 30 de Maio. Desta forma, e após as apresentações do início do mês, o projecto regresso à fábrica AJT dia 29 de Maio às 21h e no dia 30 de Maio às 16h e 21h.

Para o dia 30 de Maio está ainda marcada uma conferência/"conversa" sobre o processo da cortiça, com Madalena Vitorino e José Carretas.

Workshop Imaginarius: "A Voz do Artista"

Grupo Maisternia Pisni

Canta-se da mesma forma que se vive

Holy Fathers
Dedicado ao Ano de Grotowski

O canto é um espelho e uma possibilidade
De escolha
De vontade de vida
E de vontade por um acto artístico
A possibilidade de expressão pessoal
No meio das outras pessoas

Os participantes trabalharão:
Com canções tradicionais da Ucrânia;
Com as suas canções (deverão preparar para o workshop 3 das suas canções favoritas – sendo que uma no mínimo deverá ser em Português).

No final do workshop haverá um concerto.

Programa:

Quinta-feira, 21 Maio, das 20h30 às 23h30
- Ritual de treino
- A tecnologia de trabalhar com a canção. Espaço.
- Acção – A condição da expressão pessoal.

Sexta-feira, 22 Maio, das 20h30 às 23h30
- Ritual de treino
- A tecnologia de trabalhar com a canção no espaço
- Criação de estudos pessoais

Sábado, 23 de Maio, das 10h00 às 13h00
- Ritual de treino
- A tecnologia de trabalhar com a canção. Tempo ou a correlação com o tempo.
- Estudos pessoais sobre correlação: pares, trio, estudos colectivos.

Domingo, 24 de Maio, das 10h00 às 13h00
- Ritual de treino
- Trabalhar com a canção. Preparação para a acção.
- Acção.

Número de participantes: 15

Se estiver interessado por favor contacte:

Feira Viva – cultura e desporto, e.e.m
Centro de Negócios do Cavaco
Rua António Martins Soares Leite
Apartado 160
4524-909 Santa Maria da Feira

Tel: 256 330 900
Fax: 256 330 909

Workshop Imaginarius: "O Mundo de Pinóquio"

Theater Titanick procura pessoas que estejam interessadas em participar na parada “O mundo de Pinóquio” em Santa Maria da Feira, de 28 a 30 de Maio de 2009, como a parte do festival “Imaginarius”. Os interessados devem ter entre 18-45 anos de idade, estar em boa forma física e interessados em fazer parte de um grande espectáculo ao ar livre.

Theater Titanick é uma companhia alemã reconhecida internacionalmente que já actuou na Europa bem como na Austrália, na Ásia e na América do Norte e do Sul. Espectáculos ao ar livre que incorporam acção teatral com objectos de grandes dimensões, música ao vivo, efeitos especiais e de pirotecnia, para além do uso dos elementos como fogo e água caracterizam este grupo.

O "PINÓQUIO" é uma parada pela cidade de Santa Maria da Feira. Personagens como um cientista, uma prostituta ou um sacerdote buscam a sua liberdade e a sua realização pessoal. A parada é liderada pelo Pinóquio (uma marioneta de madeira com 8 m de altura, criada pelo grupo “Trigo Limpo”) que lhes mostra como facilmente os seres humanos podem ser convertidos em marionetas, mas ele quer conduzi-los de volta à sua imaginação infantil sem valores e discriminação.

Os amadores que farão parte da parada, realizarão coreografias diferentes como marionetes de soldado, uma coreografia com água e imagens com espuma.

Se estiver interessado em participar nesta maravilhosa parada, inscreva-se! Os treinos físicos intensivos e exercícios de presença servem de base a partir da qual as coreografias serão pensadas. Terá também a oportunidade de trabalhar com pirotecnia, fogo e água.

Por favor, lembre-se de trazer a ROUPA CONFORTÁVEL. Movimentar-nos-emos muito de um lado para o outro, pelo que calças de ganga e roupa apertada não serão apropriadas. Lembre-se de trazer meias grossas e sapatilhas. Para as coreografias de água irá usar um fato de mergulho. Por favor, traga roupa interior ou fato de banho para usar por baixo. Uma toalha e uma segunda muda de roupa são aconselháveis. O inglês e o francês serão as línguas usadas nos workshops.

Os workshops terão lugar nos dias seguintes:
Sábado 23 Maio 15h00 – 20 h00
Domingo 24 Maio 15h00 – 20h00
Segunda 25 Maio 18h00 – 21h00
Terça 26 Maio 18h00 – 21h00
Quarta 27 Maio 19h00 – 24h00
Quinta, 28 Maio 19h00 – até ao final da parada “O mundo de Pinóquio”
Sexta, 29 Maio 19h00 – até ao final da parada “O mundo de Pinóquio”
Sábado, 30 Maio 19h00 – até ao final da parada “O mundo de Pinóquio”

Número de participantes: 15

Se estiver interessado por favor contacte:

Feira Viva – cultura e desporto, e.e.m
Centro de Negócios do Cavaco
Rua António Martins Soares Leite
Apartado 160
4524-909 Santa Maria da Feira

Tel: 256 330 900
Fax: 256 330 909

sábado, 16 de maio de 2009

Programa Imaginarius apresentado no dia 20

Quarta-feira, 20 de Maio, é a data escolhida para a apresentação do programa do Imaginarius - Festival Internacional de Teatro de Rua de Santa Maria da Feira, edição 2009. A Aula Magna da Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto é o local escolhido para a cerimónia de apresentação, que em simultâneo serve de mote para a apresentação do projecto desta instituição para o Imaginarius 2009. Como vem sendo hábito, a cerimónia contará com a presença de Alfredo Henriques (Presidente da Câmara Municipal de Santa Maria da Feira), Amadeu Albergaria (Vereador do Pelouro da Cultura da Câmara Municipal de Santa Maria da Feira), Renzo Barsotti (Director Artístico do Festival, Centro para a Criação em Teatro e Artes de Rua) e Paulo Sérgio Pais (Administrador da Feira Viva, responsável pela produção e coordenação do festival).

sexta-feira, 15 de maio de 2009

Cirque em Portugal

Estreia esta noite, em Lisboa, o novo espectáculo dos canadianos Cirque du Soleil. Ícaro cai afinal numa floresta desconhecida... e daqui parte uma fantástica aventura com personagens nada habituais. Amanhã lá estarei, no Grand Chapiteux do Parque Tejo, para assistir ao vivo ao regresso dos Cirque a Portugal... infelizmente, mais uma vez em Lisboa!

quinta-feira, 14 de maio de 2009

"Uma Rampa para ti" [FIAR | Palmela] no Imaginarius


A nova produção do Centro de Artes de Rua de Palmela tem estreia marcada para 30 de Maio às 18h em Santa Maria da Feira.

«O lugar onde nos encontrámos é um lugar em desequilíbrio onde homens-bichos/bichos-homens sonham a escorregar para dentro.
A minha proposta para o espectáculo Uma Rampa Para Ti, vai de encontro à procura de uma linguagem contemporânea que questione as fronteiras de diferentes expressões artísticas que se cruzam e dialogam. Estes são alguns do pontos de partida para a criação de um universo onde convergem as técnicas circenses, dos aéreos ao clown, da teatralidade à dança. Procuro através do cruzamento destas linguagens um universo colectivo criado através da troca de estímulos e de inúmeras inquietações.»

Pássaro Gigante no Imaginarius

Afinal o Trigo Limpo - Teatro ACERT não se fica pela estreia do novo espectáculo produzido para o Imaginarius: "A Fantástica Aventura de uma Criança Chamada Pinóquio". Um "Golpe D'Asa" chega também a Santa Maria da Feira.
De acordo com a companhia de Tondela, o dito passareco, que com asas abertas chega a atingir os 7 metros de altura, irá passear-se em Santa Maria da Feira nos dias 28 e 30 de Maio.

quarta-feira, 13 de maio de 2009

Voalá encerram FITEI 2009

Depois da passagem pelo Imaginarius 2008, os argentinos Voalá regressam a Portugal. Desta feira, Matosinhos será a o palco da apresentação do espectáculo homónimo, em que uma deslumbrante dança aérea é centro de 45 minutos de olhos postos no céu.
Dia 10 de Junho das 20h30 às 00h00, Matosinhos é palco do último acto do FITEI, cujo programa se apresenta amanhã, e que tem às 23h15 o seu ponto alto.

Ficam as imagens da apresentação em Santa Maria da Feira no ano passado.

segunda-feira, 11 de maio de 2009

Concerto de Kumpania Algazarra encerra grande noite Imaginarius

Conhece mais sobre a banda em http://www.myspace.com/kumpaniaalgazarra.

Parada do Pinóquio convida crianças (31 Maio)

As crianças das escolas EB1 do concelho de Santa Maria da Feira foram convidadas a participar numa parada do Imaginarius – Festival Internacional de Teatro de Rua, a realizar no dia 31 de Maio. O tema da parada é “A fantástica história de uma criança chamada Pinóquio”, numa adaptação da obra “As aventuras de Pinóquio”, de Collodi. As fichas de inscrição estão disponíveis nas escolas EB1 de todo o Concelho e deverão ser entregues na Divisão de Educação da Câmara Municipal até 18 de Maio.

No âmbito deste projecto, o Pelouro da Educação da Autarquia vai distribuir cartolinas pelas crianças participantes, para que estas desenvolvam trabalhos de artes plásticas alusivos à história. No dia da parada, as crianças vão receber um chapéu e o famoso nariz de Pinóquio, que vão utilizar no desfile, permitindo-lhes viajar no mundo imaginário desta personagem. Para além destes adereços, cada criança deverá trazer, no dia da parada, dois paus (do género cabo de vassoura), com 16cm de comprimento e 2cm de diâmetro.

domingo, 10 de maio de 2009

"Meu Coração Viagem" - Odin Teatret

Depois de Canedo (ontem), hoje era a vez de Paços de Brandão receber a novidade dos apontamentos Imaginarius. O Projecto conduzido pelos Odin Teatret seria apresentado pela segunda vez em ensaio aberto, não fosse a chuva estragar a tarde... mas há que improvisar... e se não há rua para o teatro, há Museu do Papel para a banda sonora do projecto.

Mesmo sem ciclistas e cavalos, lá se apresentaram as dezenas de feirenses que participam no projecto que pretende fazer arte, inovando com as tradições. Com inspiração no livro "O Imperador de Portugal", a companhia dimarquesa criou um conceito que terá estreia no Imaginarius, mas que consegue unir colectividades, associações e grupos de carácter social, desportivo, recreativo... desde as noivas do Imaginarius 2007 aos "jovens" do grupo "60 mais" criado num projecto do Imaginarius 2008, muitos projectos se cruzam na peça.

E se não há imagens da peça, fica a força da banda sonora que deixou as dezenas de pessoas, que mesmo com chuva decidiram arriscar, a trautear durante algum tempo.

Pinóquio Gigante no Imaginarius

Eis que surgem as primeiras imagens, neste caso uma montagem de pequenas imagens, mas que já permite perceber a dimensão do Pinóquio de 7 metros que se vai passear nas ruas de Santa Maria da Feira durante o Imaginarius 2009.



@ http://marionetasanorte.blogspot.com/

Teatro de Marionetas do Porto no Imaginarius

O Teatro de Marionetas do Porto apresenta-se pela primeira vez no Imaginarius a 30 e 31 de Maio de 2009. "Teatro Dom Roberto" é a peça escolhida para a estreia da companhia portuense no Festival Internacional de Teatro de Rua de Santa Maria da Feira.

Programa
O Barbeiro
No dia do seu casamento, Dom Roberto decide ir ao barbeiro fazer a barba. Ao longo de muitas peripécias o barbeiro executa a sua tarefa e finalmente apresenta-lhe a conta. Dom Roberto recusa-se a pagar. Travam-se de razões, lutam e Dom Roberto acaba por matar o barbeiro. Vem a Morte buscar a vítima e pretende também levar Dom Roberto consigo. Luta de vida ou de morte que Dom Roberto, naturalmente, vence, matando a própria morte.

A Tourada
Não contendo propriamente um enredo dramático, esta peça descreve-nos as diferentes fases de uma Corrida de Touros à Portuguesa, com os seus personagens típicos: o campino, o toureiro, o cavaleiro e , claro, o touro.

sábado, 9 de maio de 2009

Chris Lynam de regresso ao Imaginarius

Depois da passagem de "Popcorn Club" pelo Imaginarius 2008, o britânico Chris Lynam regressa em 2009 a Santa Maria da Feira. Na nona edição do festival as actuações estão marcadas para os dias 28, 29 e 30 de Maio.

sexta-feira, 8 de maio de 2009

La Fura dels Baus
"Imperium"
28 a 30 de Maio
21h30
Imaginarius - Festival Internacional de Teatro de Rua
Pavilhão da Lavandeira
Santa Maria da Feira

Bilhetes: 5€ (venda na Feira Viva, Posto de Turismo de SMF e brevemente em www.blueticket.pt)
lotação limitada a 1100 espectadores

Imaginarius 2009 com imagem definida


La Fura dels Baus, Puja! e os Projectos Pinóquio e Texturas estão em destaque.
Dentro de dias será apresentado o programa do festival que decorre de 28 a 31 de Maio em Santa Maria da Feira.

terça-feira, 5 de maio de 2009

Imaginarius: Ensaios abertos de "Meu Coração Viagem"

O projecto está a ser desenvolvido desde Janeiro. Durante quatro meses, a companhia Odin Teatret, em colaboração com a Divisão de Acção Social da Autarquia, explorou a riqueza e as tradições de cada recanto do Concelho. Procuraram as culturas e as comunidades, visitando centros sociais, grupos corais, ranchos folclóricos, grupos de catequese, clubes de canoagem e futebol, entre outros, que vão participar neste espectáculo, tal como as brigadas de exterior da Câmara Municipal. Paralelamente, a companhia aprofundou o trabalho com dois grupos locais que já participaram em edições anteriores do Imaginarius: as “Noivas” que, em 2007, integraram a “Parada Teatro e Matrimónio”, e o grupo de seniores “60 mais”, que participaram, no ano passado, no espectáculo “Meu Céu”, de Clara Andermatt.

O desafio da companhia dinamarquesa é criar uma plataforma de interacção para os grupos e indivíduos envolvidos, de forma a explorar o teatro como um território de não pertença, onde podem acontecer novos encontros, enriquecendo tanto os participantes como o público.

As imagens fortes do livro “O Imperador de Portugal”, de Selma Lagerlöf, serviram de ponto de partida para a criação de “Meu Coração Viagem”, sendo a narrativa gradualmente fundida com as ideias, sugestões e materiais trazidos pelos próprios participantes, como é o caso de músicas tradicionais e elementos do quotidiano, para além das sugestões arquitectónicas do espaço, permitindo a criação de um espectáculo para um local específico.

Anna Stigsgaard, da companhia Odin Teatret, explica que “o elemento essencial desta história é o coração que bate quando amamos, quando dançamos, quando cantamos, quando há um fluxo, um movimento”, salientando que “o teatro comunitário tem a particularidade de manter vivo o coração da comunidade, pela criação de momentos de partilha sem fronteiras”.

Antes da estreia no Imaginarius, estão agendados dois ensaios abertos de “Meu Coração Viagem”. O primeiro realiza-se a 9 de Maio, às 21h30, em Porto Carvoeiro (Canedo), e o segundo a 10 de Maio, às 16h30, junto ao Museu do Papel de Paços de Brandão. O espectáculo integral será apresentado durante o Festival, de 28 a 30 de Maio.

Odin Teatret é uma companhia de teatro internacional, fundada em 1964, residente em Hostelbro, na Dinamarca, desde 1966. Tem uma longa tradição de trabalho com comunidades locais, onde um espectáculo teatral é criado através do uso de práticas e costumes de diferentes grupos, em novos contextos e encontros.